Domingo, 8 de Abril de 2007
Minhas Esculturas-Sobrevivência

Minhas Esculturas P4

. 

  

Esta obra, foi executada há cerca de meia dúzia de anos, adorei, porque foi manuseada com uma relação muito grande com a natureza, eu diria que foi sobretudo coagido pela mãe natureza, e daí, toda a conivência da mesma para encetar este trabalho, bom tentarei explicar – estava a fazer limpeza num riacho que confronta com terra de cultivo, esta limpeza faz-se normalmente antes da época das chuvas, junto à beira do rio estava um tronco enraizado, cheio de lama com aspecto deplorável, olhei para ele e senti, que ali havia algo mais do que simples despojos tipo lixo, tive que pedir ajuda para o tirar do rio e carrega-lo na moto cultivadora, depois, era o momento de eu entrar, a natureza tinha feito a parte dela, comecei com a limpeza do tronco e várias horas de trabalho, com máquinas goivas, formões, consegui chegar ao cerne, com transpiração e imaginação, creio ter conseguido algo de acordo, com o que, de momento idealizei, quanto ao título, embora dependente da perspectiva do ângulo de visão, não é difícil deduzir que o grande, devora quase sempre o pequeno, que não tem qualquer hipótese de vencer, daí, o título da obra.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

                                                                            

                       Sobrevivência                                                                

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

sinto-me: a recomeçar

publicado por J. Alves às 20:25
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Franc a 10 de Abril de 2007 às 22:23
Sim senhor. Quem sou eu para apreciar a arte? Não sei dizer se é arte mas sinto que é, no mínimo, sensibilidade artística. Isso eu sinto, meu caro. Parabéns. Francisco.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29

31


posts recentes

DESPEDIDA DE 2017

BIFE DA PÁSCOA de 1974

QUIABO Abelmoschus escule...

TREVO CERVINO -­ PLANTAS ...

ERVA PRINCIPE -­ PLANTAS ...

ABELHAS ASIÁTICAS EM CARD...

16ª Meia Maratona Manuela...

CARDIELOS, NOS SEUS RECÔN...

AZEVINHO PLANTA MEDICINAL

IMPATIENS WALLERIANA-Plan...

arquivos

Dezembro 2017

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Junho 2013

Dezembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds