Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011
CARRO de BOIS - Cardielos usos e costumes

 

 

 

Carro de bois – Cardielos - usos e costumes

 

 

Carro de Bois. Precisamente  o tema que quero abordar com mais objectividade, no que se refere, aos  usos e costumes antigos de Cardielos, eu senti durante alguns anos a vivência com estas ferramentas,  que graças ao progresso,  foram postos de lado em várias regiões de Portugal e de  outros países,  mas que durante centenas de anos, tiveram uma importância primordial para a sobrevivência e progresso económico das civilizações, é óbvio que ao longo dos séculos este instrumento de trabalho foi-se aperfeiçoando até chegar ao seu término, altura em que foram substituído pelas máquinas poluentes, tractores  e   moto cultivadoras.

 Foi o Sr.João Marques o primeiro a possuir uma moto cultivadora, embora tivesse morada na Freguesia vizinha, a maior parte das suas terras estavam nesta Freguesia, baptizou a máquina com o nome de  Chivinha, a partir daí, todas as moto cultivadoras que vieram posteriormente, para Cardielos, começaram a ser conhecidas por este nome, Em 1974/1975, esta Chivinha , engalanada,  com ramos e flores,  prestou-se nas campanhas eleitorais locais,  mas o meu propósito  é falar dos velhos carros de bois, que embora em algumas regiões, ainda estejam operacionais,  para o serviço laboral, nesta região vão apodrecendo abandonados nos cantos dos cobertos, outros, em pedestais nos jardins, embalsamados, em óleo queimado, ou qualquer outra velatura,  contrariando a força da erosão furtiva a tempo nu,  vão aguentando uniformizados, à custa de implantes e manutenção vigiada, até sucumbir completamente, perante as persistentes intempéries  ao longo dos anos. Para aqueles  que, não tiveram o privilégio de conduzir, esta velha máquina de madeira, puxada por uma junta de bois bem domesticados. Em  locais de difícil acesso, ou cargas mais pesadas, metia-se a cambão. uma ou mais juntas de bois, também existem os mesmos carros puxados por vacas. Os carros de bois, foram introduzidos no Minho quando da invasão dos romanos, podemos velos em filmes antigos, claro que eram muito mais grotescos, ao longo do tempo foram-se aperfeiçoando e ajustados ao método de trabalho e às zonas geográficas, onde são inseridos. No Minho utilizava-se a madeira de pinho bravo e pinho manso, em   Trás-os-Montes são submetidos a maior esforço, são feitos com madeiras mais pesadas como o Carvalho,  freixo, creio que o eixo é sempre feito em madeira de sobreiro, pelo menos nesta zona. Lembro-me de haver pessoas particulares que faziam transportes para outras pessoas a troco de outros trabalhos, Mas havia carreteiros profissionais, que faziam  toda a qualidade de fretes, para isso tinham animais  corpulentos bem tratados, sobretudo muito bem domesticados, para andarem ante-postos, por vezes o carreteiro dava as ordens aos animais, para parar ou para andar, de cima do carro. Recordo-me, de ir com o meu Pai para o monte às

quatro da manhã, as propriedades rústicas, eram distantes, tomávamos um gole de cevada e avançávamos, eu ia meio engaranhado, enrolado num casaco de adulto em cima do carro. As árvores eram abatidas com o machado, e serradas em toros com o serrão,  eu apenas tenteava equilibrar a lâmina do serrão para se manter direccionada, pegando com ambas as mãos nas  duas hastes  horizontais,  meu Pai é que puxava com toda a força na haste vertical do serrão, quando se andava pela estrada, tinha que se untar a cantadeira, com banha ou sabão para o carro não fazer aquela cantadeira, característica do  ió, ió, ió, a guarda republicana não perdoava a multa por poluição sonora, mas quando chegava  ao caminha já fora da estrada, apertava os cocãos , o carro fazia uma grande chiadeira dando a entender que  o carro ia bem carregado, truques da época. Ao carro pertenciam também peças amovíveis, que eram as caniças,  Tínhamos,  umas feitas de tábuas compostas de quatro taipais, dois laterais mais compridos e dois laterais mais curtos à frente que dobravam e ficavam em triangulo, atrás era encaixada um pequeno taipal

 numa corrediça e assim ficava fechado em todo o perímetro, pronto a levar estrume, erva, etc,  tinham uns arames que enfiavam nos fueiros.  Haviam outras caniças feitas numa só peça de vime recordo-me, de meu Pai as fazer da seguinte forma? Fazia o desenho no chão com a configuração das chedas , espetava os vimes na terra mais grossos e mais compridos com pequenos intervalos , entrançava vimes horizontalmente intercalando-os nos vimes verticais, quando chegava à medida  exigida, fazia o acabamento  com os vimes sobrantes verticais, sendo a parte da frente mais alta do que a de trás,  depois era só cortar os vimes que tinham sido espetados na terra. Quando o meu Pai fazia este trabalho, aproveitava sempre para lhe pedir, para me fazer um caniço,  para apanhar melros,  era um dispositivo feito de vime  com configuração triangular, dentro levava um pau bifurcado em  V, em outro pau afiado preso por um cordel, ao ser tocado quando iam colher os grãos de milho, o caniço fechava-se e o pássaro ficava lá dentro, era uma armadilha. Tinha talvez 13 anos, comecei a  aprender  e trabalhei  no arranjo de carros de bois com O Tio Veloso,  ferramenta às costas , socas nos pés  lá ia-mos  para casa dos lavradores da freguesia vizinha, Nogueira era a área dos clientes dele. Socas, soquetas, Androlas ou sulipas, eram  pedaços de madeira recortados na configuração do pé, com uma tira de couro de 2 cm a abraçar os dedos , lembro-me  de ver pela estrada fora  grupos e grupos de operários , que iam trabalhar para Viana  pisando oito Km

a estrada de alcatrão, o barulho que aquelas soquetes juntas faziam,  era um barulho cadenciado,  que a malta se esmerava em fazer marcação, quando alguém de fora ou mesmos entre colegas se zangavam , a sulipa saia como tiro de bala à cabeça do adversário. O principal construtor de Carros de bois de Cardielos, era o Sr. Manuel Parente também conhecido Por Tio Manuel Ambrósio, Era meu vizinho Pai de onze filhos sendo cinco rapazes todos carpinteiros, que o ajudavam na sua faina artesanal, Era um Senhor, baixo e forte, com um espesso bigode preto, muito determinado, sempre na linha da frente nas organizações da festa do Lugar,  O Sr. Manuel Parente ao deambular as socas,  a bater nos calcanhares, fazia um barulho diferente das outras, talvez porque se esmerava em escolher a madeira, tinham mais leveza e mais arte as suas socas,  tinham melhor som.  Perco-me sempre com estes  pormenores  que me vem à lembrança dos costumes e usos antigos, mas também não irei perder tempo

 a descrever, as imensas utilizações do carro de bois  pois faziam o que fazem os tractores, no que diz respeito ao transporte,  Em Cardielos pelo menos nos meus tempos nunca existiu, cavalos ou burros foram sempre os animais   bovinos  que acompanhavam o lavrador nos trabalhos do campo.

            O carro de bois, é composto pelo cabeçalho, que tem 4oo6mm de comprimento, com várias espessuras, para se tornar mais forte nos pontos de ligação e menor espessura noutros para se tornar mais leve, tem 4 furos, o primeiro, para a chavelha do tomoeiro, o segundo para o descanço do carro ou focão, o terceiro para colocar o chavelhão, o quarto furo é na traseira para segurar a porta da caniça, no cabeçalho  engatam  duas chedas, duas peças com ângulos curvos à frente, as chedas e o cabeçalho ligam-se à frente  com respiga apertada, a partir daí com travessas, também as travessas entram de respiga nas chedas e no cabeçalho , ficando mais baixas o desconto das tábuas que vão forrar a base ou mesa do carro. As chedas levam os furos para os fueiros, e quatro furos para os cocões. Cocão é uma peça que abraça lateralmente o eixo mantemdo-o no lugar certo, são peças amovíveis presas pela parte de cima com palmetas, feitas de uma maneira dura, em geral, em madeira de oliveira. Em cada lado por baixo das chedas, que abrangem um pouco mais à frente  do rodado acompanhado as chedas  até à parte traseira , estão os “Chumaços ou chadeiro” reforçam o carro, possui uma cavidade apropriada, onde vai encaixar uma parte também devastada do eixo a que se chama cantadeira, estas duas peças com o uso, à força do atrito, vão-se moldando criando umas estrias alienatórias, que tem influência no cantar do carro, o eixo de sobreiro é oitavado, de forma a que em descidas mais inclinadas, é adaptado um travão, para ajudar os animais de forma a que o carro não ganhe velocidade, um pedaço de  uma árvore com cerca de 100mm de espessura é colocado na parte traseira das rodas, preso com arame às chedas, uma corrente de ferro é atada ao tronco e vai passar por cima do eixo cuja ponta volta para trás, onde duas pessoas puxam as correntes fazendo atrito no eixo contrariando a velocidade precipitada do carro. Bois ao carro; Este trabalho feito por uma só pessoa, requer habilidade, conivência dos animais, e calma, para estes não se assustarem, o carro deve estar calçado, para não recuar, durante esta operação, levanta-se o carro, mete-se o chavelhão no buraco da chavelha , o gado depois de cangado, com canga ou cangalho,  vai-se meter os bois ao carro, os animais vão recuando  até encaixar o cabeçalho no tomoeiro, depois é só tirar o chavelhão e meter a chavelha do tomoeiro de maneira que  as peças de couro (tomoeiro),fiquem para trás deste, o chavelhão é colocado no terceiro buraco pela parte de cima.  As Rodas são compostas por três peças de madeira , geralmente  de carvalho, a peça do meio chama-se mium ou meão as duas do lado chamam-se cambas, o rodado é composto de 4 peças de ferro curvadas com um centímetro de espessura, pregados com pregos  apropriados feitos no ferreiro,  o meão e as cambas são ligadas  com respigas  e umas barras de ferro curvadas, que se chamam meias luas, são embutidas na madeira, ajudando na segurança da ligação do mium e as duas cambas, tanto o rodado como as meias luas são pregados com pregos próprios forjados . Descrevi os velhos carros de Bois, Existem outros  com rodados  em ferro sem madeira,outros com rodados de uma só peça metidos a fogo na madeira , chumaços em ferro etc .

Tal como disse no princípio, este post refere-se a usos e costume de Cardielos, podendo haver distorção da escrita em relação pronúncia, como diz o ditado cada terra tem seu uso, cada roca com seu fuso

 

 

 

 

 

 Cabeçalho, Chedas, Travessas e mesa , furações

 

 Ligação das Chedas ao Cabeçalho

 

 

 

 

 

 

Parte dos rodados e meia-lua

 

 Estrias torneadas pelo desgaste do atrito do chumaço e cantadeira

 

Pormenor do chumaço ou chadeiro


música: Sergio Reis - Velho Carro de Boi

publicado por J. Alves às 20:25
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De antonioduvidas a 18 de Julho de 2011 às 09:29
Ora aqui está uma pormenorizada descrição do carro de bois. Na casa das minhas raizes, uma aldeia do concelho de Cinfães, guardo com carinho e bem preservado o carro das vacas como por lá se diz, pois era uma região onde só havia vacas e apenas um boi de cobrição. Não sei precisar a idade do carro mas deve ter seguramente 50 anos. Numa das chedas, na parte de trás lá tem a licença de esmalte em forma ovalada dizendo "ISENTO CM Cinfães".

Saudações,(antonio)


De Rogério Corrêa a 3 de Fevereiro de 2014 às 19:48
Também sou apaixonado pelo carros de boi, sua história e festividades com esse nobre transporte que quase foi extinto. Recentemente lancei o livro “Festas de Carros de Boi” que vem de encontro a uma lacuna existente quanto aos assuntos abordados, a paixão pela nossa cultura e pelo carro de boi. Pois, muitos pensavam que, com os meios de transportes modernos e evolução tecnológica, os carros de boi e as suas cantigas peculiares iriam desaparecer, e só os encontrariam em museus, telas de pinturas ou esquecidos em fazendas antigas. Contudo, ocorreu uma reinvenção para o uso dos carros de boi, saíram do labutar para o festejar. Neste trabalho o autor mergulha na sua história, na cultura de um povo, e com riqueza de detalhes e fotografias, mostra o porquê das Festas de Carros de Boi fazerem parte do calendário cívico de algumas cidades Brasileiras. Especialmente, por encantar todos os participantes e visitantes de vários lugares do Brasil e do exterior, independente do sexo e idade. É paixão a primeira vista, seja pela cultura, pela tradição, por curiosidade, pelo festar e por ter se tornado um acontecimento histórico.

Para divulgar festas de carros de boi e pesquisá-las criei alguns blogs, convido você e seus leitores para conhecê-los:


Rogério Corrêa
http://rogerioscorrea.blogspot.com/
http://festadocarrodebois.blogspot.com/
http://carrodebois.wordpress.com
http://ocarrodeboi.blogspot.com/
rogerioscorrea@gmail.com


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29

31


posts recentes

DESPEDIDA DE 2017

BIFE DA PÁSCOA de 1974

QUIABO Abelmoschus escule...

TREVO CERVINO -­ PLANTAS ...

ERVA PRINCIPE -­ PLANTAS ...

ABELHAS ASIÁTICAS EM CARD...

16ª Meia Maratona Manuela...

CARDIELOS, NOS SEUS RECÔN...

AZEVINHO PLANTA MEDICINAL

IMPATIENS WALLERIANA-Plan...

arquivos

Dezembro 2017

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Junho 2013

Dezembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds