Sábado, 26 de Janeiro de 2008
O exótico, integração e cautela
 
                                Quase todas as pessoas sentem uma necessidade exageradamente extravagante, quando deparam com algo estranho, à frente da vista, de imediato, somos invadidos pela curiosidade e pela ambição do conhecimento, sem nos apercebermos, que o nosso conhecimento não está equilibrado com a nossa ambição, como não sou excepção à regra, já tive alguns deslizes emocionais, em que caí abruptamente, nesta teia aliciante, catalogada como o é, o conhecimento abstracto, ou seja algo, que os nossos olhos nunca tiveram oportunidade de pôr a vista em cima, refiro-me a algo que fiz, em tempo de “tropa”, que nada aconteceu de catastrófico, porque o meu anjo da guarda e eu, somos como unha com carne, inseparáveis, a verdade é que nada de nada aconteceu, mas tremo do que poderia ter acontecido. Deixando para trás os dispositivos, balísticos, no sentido configurado, saltando para coisas naturais, aparentemente inofensivas, mas que podem causar danos irreparáveis a longo tempo, chegando ao ponto de não podermos controlar. Isto passou-se há alguns anos, e lembrei-me de tudo isto, ao reparar numa foto tirada na altura. Tinha feito um pequeno lago no quintal, é óbvio que tinha interesse em embelezar o lago, coloquei nenúfares, tinha rãs, que saltavam para a relva, e cantavam deliciosamente, pela noite dentro, confesso que o seu bulício não me incomodavam, fechava a janela do quarto, e num burburinho mais débil, adormecia confortavelmente. Porém, alguém me deu um pequeno saquinho plástico fechado em que se lia plantas da Amazónia, que tinha comprado algures, com total boa intenção, de me ajudar na decoração do lago, claro que eu, fiquei imensamente agradecido, pois iria colocar algo que nunca tinha visto, se sobrevivessem seria espectáculo. Aquela coisa reproduzia-se, a grande velocidade, eu admirava e ficava contente, todos os dias, chegava do trabalho e era fácil notar que aquelas plantas cresciam a olhos vistos. Quando me apercebi, que os nenúfares desapareciam, as rãs já não cantavam, quase nem podiam mergulhar, porque o lago estava completamente tapado com as tais plantas, que se uniam em módulos, pareciam centopeias. Fizemos uma limpeza geral a essas plantas aquáticas, eram uma autêntica praga, nem para fertilizante quisemos aproveitar.
            Se imaginarmos, o que poderia ter acontecido, se essas plantas, fossem colocadas num local não controlado, como um rio, o que poderia acontecer, era termos mais uma infestante, que atendendo à quantidade, teria elevados custos para a remover.
Planta Amazónica na sua propagação e nenúfares
           

sinto-me: Bem

publicado por J. Alves às 23:52
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29

31


posts recentes

DESPEDIDA DE 2017

BIFE DA PÁSCOA de 1974

QUIABO Abelmoschus escule...

TREVO CERVINO -­ PLANTAS ...

ERVA PRINCIPE -­ PLANTAS ...

ABELHAS ASIÁTICAS EM CARD...

16ª Meia Maratona Manuela...

CARDIELOS, NOS SEUS RECÔN...

AZEVINHO PLANTA MEDICINAL

IMPATIENS WALLERIANA-Plan...

arquivos

Dezembro 2017

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Junho 2013

Dezembro 2012

Julho 2012

Abril 2012

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds